Entregamos hoje a primeira unidade do controlador de carbonatação desenvolvido pela Fizzlab, o Multicarb Touch.

Concebido de forma modular, é composto por uma unidade de controlo central e até dois módulos pneumáticos, permitindo o controlo automático de carbonatação natural ou forçada.

No modo de controlo de carbonatação natural, o Multicarb Touch liberta o excesso de pressão derivado da refermentação de reservatórios pressurizados (“kegs”, tanques, etc.), tendo em conta variações de temperatura (quanto menos temperatura, menos pressão é necessária para a mesma quantidade requerida de CO2 dissolvido). Desta forma é possível obter carbonatação precisa de líquidos, acautelando possíveis erros de cálculo do açúcar de carbonatação (ou “priming”) e variações anormais de temperatura.

Possui ainda o modo de controlo de carbonatação forçada, injectando (ou libertando) automaticamente CO2 no reservatório a carbonatar. Basta especificar os volumes de CO2 dissolvidos que se pretendem e tem também em conta, variações de temperatura.

Na sua configuração base (uma unidade de controlo central e um módulo pneumático), permite controlar a carbonatação de dois reservatórios (ou dois conjuntos de reservatórios interligados) independentemente, podendo ser especificado para cada conjunto, o tipo de carbonatação e os volumes de CO2 pretendidos. Com um módulo pneumático adicional (opcional), a sua capacidade de controlo estende-se a quatro reservatórios independentes (ou conjuntos de reservatórios).

Características principais:

  • Interface gráfico por display TFT táctil
  • Microprocessador de arquitectura RISC Atmel ATmega 2560
  • Sensores de pressão Honeywell TruStability, com compensação automática de temperatura e +-2% de margem de erro. A Honeywell é uma marca de referência com diversos dispositivos aplicados nos sectores da medicina e indústria.
  • Sensores de temperatura digitais, permitindo ligar até 4 sensores independentes
  • Circuitos pneumáticos principais com acessórios John Guest
  • Fichas de cabos com inserção em apenas uma posição, eliminando enganos
  • Datalog incorporado configurável, registando em cartão SD: data, hora, temperaturas, pressões lidas e volumes de CO2 dissolvidos teóricos
  • Écran de monitorização com gráficos de barras, indicando o numero de dias passados à pressão óptima, para os volumes de CO2 pretendidos
  • Detecção automática de reservatórios ligados às portas de monitorização
  • Retoma automaticamente a monitorização em caso de quebra de energia
  • Relógio interno com pilha de lítio recarregável
  • Modos independentes de controlo de carbonatação (natural ou forçada)
  • Pressão máxima de funcionamento: 3 bar

O que é fornecido na configuração base:

  • Unidade de controlo central
  • Um módulo pneumático (permite controlar até 2 reservatórios / conjuntos)
  • Transformador 12 VDC
  • Cabo USB para reprogramação
  • Duas sondas de temperatura digitais, com cabo de 1.5 metros e protecção metálica estanque
  • Dois cabos de dados de interligação entre a unidade de controlo e o módulo pneumático
  • Cartão SD não incluído de momento

Para mais informações entre em contacto connosco pelo email geral@fizzlab.pt

No âmbito das novas linhas de apoio comunitário do Portugal 2020, deixamos aqui uma pequena apresentação dos nossos parceiros da Startup Business Consulting.


Candidaturas Abertas até 20 Março – PRAZO ALARGADO ATÉ DIA 28 DE ABRIL

 

A Startup Business Consulting, empresa certificada em matéria de PDR2020, vem por este meio apresentar a seguinte linha de apoio comunitário:

A presente medida prevê o apoio à realização de investimentos na transformação e comercialização de produtos agrícolas, predominantemente em activos tangíveis, destinados a melhorar o desempenho competitivo das unidades industriais mas também estruturas artesanais (como por exemplo a cerveja artesanal produzida em quantidades não industriais), através do aumento da produção, da criação de valor baseada no conhecimento e em processos e produtos inovadores, bem como na melhoria da qualidade dos produtos.

Esta linha prevê e apoia a criação de novos produtos, façam eles parte de uma linha de produtos ou a apresentação de uma nova gama, como por exemplo cerveja artesanal premium ou super premium ou com introdução de ingredientes diferenciadores e inovadores no processo de fabrico.

São beneficiários do presente apoio, todas as Pessoas Singulares ou Coletivas legalmente constituídas à data de apresentação de candidatura, que se dediquem à transformação ou comercialização de produtos agrícolas.

Podem beneficiar destes apoios os projetos que façam parte de uma das seguintes dimensões de investimento:

  • Com dimensão de investimento superior a 200.000€ e inferior ou igual a 4.000.000€;
  • Com dimensão de investimento superior a 200.000€, quando desenvolvidos em explorações agrícolas em que a matéria-prima é maioritariamente proveniente da própria exploração;
  • Com dimensão de investimento superior a 200.000€, quando desenvolvido por agrupamentos / organizações de produtores;

São elegíveis no âmbito do presente apoio, as seguintes despesas:

  1. Despesas com a construção e melhoramento de bens imóveis, designadamente;
    • Vedação e preparação de terrenos;
    • Edifícios e outras construções diretamente ligados às atividades a desenvolver;
    • Adaptação de instalações existentes relacionadas com o investimento;
  2. Compra ou locação-compra de bens imóveis, designadamente:
    • Máquinas e equipamentos novos, incluindo equipamentos informáticos;
    • Equipamentos de transporte interno, de movimentação de cargas, e as caixas e paletes com duração de vida superior a um ano;
    • Caixas isotérmicas, grupos de frio e cisternas de transporte bem como meios de transporte externo, quando estes últimos sejam utilizados exclusivamente na recolha e transporte de leite até às unidades de transformação;
    • Equipamentos sociais obrigatórios por determinação da lei;
    • Automatização de equipamentos já existentes na unidade;
    • Equipamentos não directamente produtivos, nomeadamente equipamentos visando a valorização dos subprodutos e resíduos destinados à produção, valorização energética e equipamentos de controlo da qualidade;

Despesas gerais nomeadamente no domínio da eficiência energética e energias renováveis, software aplicacional, propriedade industrial, diagnósticos, auditorias, planos de marketing e branding e estudos de viabilidade, acompanhamento, projetos de arquitetura, engenharia associados aos investimentos, até 5% do custo elegível aprovado das restantes despesas.

A SBC possui actualmente uma taxa de aprovação superior a 90%, pelo que se encontra apta para preparar todo o processo, submeter na linha de apoio, contactar as entidades competentes e proceder a todo o trabalho de realização de memória descritiva do projecto bem como análise detalhada da documentação do projecto/empresa.

Para mais informações por favor contactar:

geral@startupbc.pt

912284826

O artigo abaixo do excelente blog experimental Brulosophy, aborda o primeiro passo realizado na elaboração de cerveja: a moagem.

Tipicamente é do senso comum de qualquer cervejeiro que uma moagem mais fina aumenta a eficiência de extracção, uma vez que temos mais “superfície específica” do endosperma do grão de cereal, em contacto com água para a sua hidratação e conversão enzimática. Por outro lado, poderá trazer problemas na filtração do cereal (redução do tamanho das cascas) e, em determinadas condições, extracção taninica. O ideal é partir o endosperma o máximo possível, mantendo a casca intacta para servir de meio filtrante.

Os resultados da experiência são bastante curiosos, tendo sido alcançada a mesma eficiência em ambos os tipos de moagem. Isto leva a sugerir que a eficiência de extracção do equipamento utilizado, atinge um máximo para uma determinada granulometria a partir da qual não há ganhos (para o mesmo intervalo de tempo).

Obviamente que existem diversos factores que afectam a eficiência da cervejeira no global (Brewhouse yield), como por exemplo as matérias primas (grau de modificação), o equipamento, o processo de empastagem, processo de filtração e o processo usado na cervejeira na sua globalidade estando, tipicamente, entre 74% a 79% .

Uma observação que também poderá ser retirada desta experiência é que a conversão enzimática poderá ser atingida na sua totalidade, em menos tempo do que os típicos 60 minutos, para uma moagem mais fina. Existem relatos de cervejeiros caseiros que apontam para 30 a 40 minutos de conversão, quando utilizada moagem fina.

Para finalizar e ainda em relação à granulometria de moagem, em regra geral esta deve ser mais fina quanto menor for o grau de modificação do cereal a moer, de modo a que a conversão enzimática destes cereais seja mais rápida.

De notar que nada disto se aplica quando se utiliza um filtro após brassagem (tipicamente os Meura) em vez da cuba de filtração, podendo o cereal ser moído através de um moinho de martelos, obtendo-se eficiências consideravelmente elevadas.

LER ARTIGO

Encontra-se finalmente online a página oficial da Fizzlab, bem como a correspondente presença na rede social Facebook.

Nela poderão encontrar os serviços disponibilizados para o sector da cerveja artesanal. Para qualquer dúvida ou esclarecimento, entrem em contacto connosco através da página de contactos (número de telefone em breve).